Este blog foi criado na disciplina de Área de Projecto da turma do 8ºA e pretende falar sobre algumas especies em perigo de extinção.

04
Out 10

 d

publicado por Simao às 15:06

16
Nov 09

    Com este blogue podemos passar a conhecer melhor algumas das espécies em vias de extinção, o seu tempo de gestação, de vida, a sua distribuição geográfica, a sua alimentação e muito mais.

    É importante saber como proteger estes animais para que não fiquem no esquecimento nem em riscos de extinção. extinção, por isso vamos fazer um pouco de esforço para conservar as floresta e savanas que são os habitat's da maior parte destes animais.

    Por isso vamos proteger o planeta e sobre tudo estes animais.

publicado por Simao às 13:46

09
Nov 09

 

   

O elefante-africano é um paquiderme de grande estatura, que vive em longos territórios da África Central e do Sul. É o maior mamífero terrestre.
As manadas de elefantes são matriarcais, é sempre uma fêmea que lidera o grupo. Tem como obrigações memorizar os locais onde existe água nos tempos de seca e garantir o bem estar do grupo. Sempre que um jovem macho atinge a ma
turidade sexual e deixa de respeitar a hierarquia, é expulso da manada pela fêmea dominante.

Os elefantes africanos distinguem-se dos seus primos asiáticos pela estatura - são bastante maiores - e pelo seu grande par de orelhas, já que os asiáticos tem esses apêndices bem mais pequenos, as unhas das patas traseiras também são diferentes, assim como o número de costelas.
Outro facto curioso respeitante a estes animais é que procuram zonas previamente definidas quando sentem que os seus dias estão a acabar, e depois, sempre que a manada passa por esses locais, os indivíduos acariciam os ossos dos seus antepassados com a tromba, o que leva os cientistas a pensar que algum cheiro característico fica nos ossos.
Estes animais sobrevivem somente à custa de ervas, folhas e capim, que comem em grande quantidade, podendo um animal adulto ingerir cerca de 250 a 300 kg de alimento por dia, o que os faz andar numa busca incessante de vegetação e água.
   

A tromba é fundamental para a sua sobrevivência e desde muito cedo que os jovens aprendem a dominá-la para beber água, para levar a comida à boca e para tomarem os banhos de água ou lama. Serve ainda, naturalmente para reconhecer os cheiros e distinguir qual o alimento que lhes convém.
 

Os elefantes africanos têm sido abatidos por caçadores furtivos ao longo de décadas, com o único propósito de retirar as suas presas, que atingem preços exorbitantes no mercado negro. Nos últimos anos, o comércio de presas de elefante foi, finalmente, proibido e grandes quantidades de p

resas foram queimadas, na esperança de mostrar aos caçadores que o seu negócio chegou ao fim.

As guerras permanentes em que quase todos os países af
   

Um elefante africano pode medir cerca de 6 m de comprimento, ter mais de 4 m de altura e pesar cerca de 65

Dia-a-Dia numa Manada de Elefantes-Africanos.

 

00 kg. A sua esperança de vida é de cerca de 50 anos.
 

 

ricanos se viram envolvidos, levou a que esta espécie tenha desaparecido de vastos territórios, já que a venda das suas presas permitia às tropas garantir parte da quantidade de armamento necessário para as suas guerras, que na maior

parte das vezes aconteciam por questões tribais.
    Em alguns locais, foram criadas reservas para a sua protecção, o que levou a uma sobrepopulação em alguns desses parques. Como resultado deste aumento do número de animais, as reservas abrem periódicamente as suas portas a caçadores, que podem caçar, com autorização, alguns elefantes mais velhos ou os mais problemáticos. Este procedimento alivia a pressão sobre a caça clandestina nos locais onde existe menor número de exemplares e mantém as manadas controladas dentro das reservas.

 As fêmeas, que têm o nome de álias, atingem a maturidade sexual por volta dos 12 anos. As crias nascem após uma gestação de cerca de 22 meses, apenas uma por parto, só raramente acontecendo casos de partos múltiplos. Uma ália pode procriar a cada quatro anos, já que amamentam as suas crias até aos dois anos e só depois voltam a engravidar, tendo pela frente mais cerca de dois anos de gestação. 
     As crias são sempre protegidas pelos outros elementos

do grupo, e vivem como se fosse numa creche, em conjunto e vigiadas em permanência pelos mais velhos. Os elefantes não têm predadores naturais, embora ocasionalmente uma cria muito jovem possa ser atacada por um leões famintos. Por esse motivo, os adultos colocam sempre as crias no centro da manada.
    Na época do cio, os machos segregam uma subs

tância odorífera que escorre, a partir das têmperas, pela cabeça abaixo. Nesta altura, os elefantes machos ficam muito agitados e tornam-se violentos.

 

 

Salvamento de um Bebé Elefante de se Afogar.

publicado por Simao às 15:51

 

     Esta espécie apenas se encontra já em pequenos territórios protegidos, muito dispersos, pelo Sul continente africano, nomeadamente na Zâmbia, Zimbawe, Botswana, Namíbia, Quénia e África do Sul.
    O rinoceronte-negro não é muito diferente do branco, é apenas ligeiramente mais pequeno e a sua boca apresenta um formato distinto. Quanto à cor, e apesar do nome, é muito semelhante, não sendo por aí que se encontram diferenças significativas.
    Caçado durante centenas de anos, quase até à extinção, por causa dos seus dois chifres, aos quais eram atribuídas propriedades medicinais, existem hoje apenas cerca de 3000 indivíduos a viver em liberdade. No entanto, em meados dos anos 90 só estavam registados e monitorizados pouco mais de 2100, mas a partir dessa altura um projecto para protecção desta espécie, apoiado por várias instituições a nível mundial, inverteu felizmente essa tendência para os números mais confortáveis que hoje conhecemos, e pode ter sido, assim, evitado o desaparecimento definitivo desta espécie. O tempo de gestação dos rinocerontes é de aproximadamente 480 dias. O facto de este ser elevado, tem sido um dos motivos que dificulta a sua reprodução e que não permite ainda uma maior garantia de sobrevivência desta espécie. Normalmente, nasce apenas uma cria, que é amamentada pela mãe até aos dois anos.
     O rinoceronte é um herbívoro habituado a uma alimentação diversificada, que se adapta bem a diferentes tipos de plantas, já que ao longo do ano o tipo de vegetação disponível vai variando. Necessita muitas vezes de percorrer distâncias consideráveis, até encontrar pasto suficiente para a sua sobrevivência, e água para os seus banhos, necessários para hidratar a pele e para se livrar da nuvem de insectos que o acompanha.
    O rinoceronte vê muito mal, mas tem um excelente olfacto e também uma aparelho auditivo prodigioso. Quanto se sente ameaçado, sobretudo o rinoceronte-negro, investe de forma implacável sobre tudo o que mexe, apesar de nem sempre saber sobre o que está a investir. A procura de alimento é feita a partir dos cheiros que aprende a reconhecer, durante o tempo em que é apenas amamentado pela mãe. Quando adulto, sabe perfeitamente distinguir os cheiros característicos dos alimentos que mais lhe agradam.
    Um rinoceronte-negro pode ter em média 1,60 m de altura, 3,80 m de comprimento e pesar mais de 3000 kg. A sua esperança de vida ronda os 30 a 35 anos em liberdade, podendo em cativeiro durar alguns, mas poucos, anos mais.

publicado por Simao às 15:34

03
Nov 09

   

    Vive na Europa, Ásia, porção sul da América do Norte e ao longo de toda a América do Sul, incluindo o Brasil e a Argentina.
     Associada a zonas húmidas, ocorre em águas continentais como rios, ribeiras, pauis, lagoas e albufeiras, em águas salobras como os estuários, mas também nalguns pontos do litoral marinho.
    Possui uma dieta maioritariamente constituída por peixe mas que pode incluir crustáceos, anfíbios, aves e alguns mamíferos consoante a sua disponibilidade e abundância no meio. Mede de
 60 cm até 90 cm mais a cauda que mede de 35 a 47 cm.
        Mede de 6 kg até 10 kg.
    Tem um período de gesta de cerca de 2 meses.
     A ninhada pode ter entre 1 a 5 crias, sendo 2 a 3 o mais usual. Vive entre 6 a 8 anos. Espécie Classificada como Vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Entre os vários factores que colocam a espécie em perigo contam-se: a poluição e destruição dos ambientes aquáticos e ripícolas, o uso de pesticidas na agricultura que afecta a qualidade da água dos rios, os atropelamentos e a perseguição directa por parte do Homem devido à concorrência pelo peixe. Há a contar ainda com o facto de a sua pele ter um elevado valor no sector têxtil.

publicado por Simao às 13:53

02
Nov 09

 

    Os orangotangos vivem nas montanhas das florestas tropicais de duas ilhas indonésias, Sumatra e Bornéu. Estes animais vivem nas árvores, perto da copa, onde fazem as suas camas e onde se passa toda a sua vida social.
    Os orangotangos machos adultos tendem a ser solitários, tendo pouco contacto com as fêmeas, que só procuram na época da reprodução. Já as fêmeas gostam de viver em grupos de 3 ou 4 adultas, acompanhadas pelos filhos, machos ou fêmeas, sendo que os mais novos se agarram às suas costas, enquanto os outros as seguem de perto.
    Apesar de serem omnívoros, mais de metade da alimentação dos orangotangos são frutos, distribuindo-se o restante por folhas, bagas, ovos e pequenos invertebrados. Em perigo crítico, por causa da desmatação que as florestas têm sofrido, para aproveitamento das madeiras.
    Os orangotangos atingem a maturidade após os 7 anos. A gestação das fêmeas dura entre 230 e 260 dias, nascendo em geral apenas 1 cria. Por vezes nascem gémeos e, quando isto acontece, a taxa de sobrevivência é alta.
    Os orangotangos podem atingir 1,5 metros erectos e pesar 90 kg.
    A esperança de vida dos orangotangos é de 60 anos, em cativeiro, supondo-se que em estado selvagem vivam menos tempo.

 Este vídeo mostra o dia-a-dia de um orfanato de Orangotangos.

publicado por Simao às 16:20

26
Out 09

 

    Os chimpanzés podem ser encontrados numa vasta área da África Central e Ocidental, desde a Nigéria, a Norte, até ao território de Angola, a Sul e a Oriente podem ser encontrados até à Tanzânia e ao Quénia. Floresta, árvores e água são factores importantes para haver comunidades de chimpanzés. Contudo, existem alguns grupos destes animais a viver acima dos 2000 metros de altitude onde, apesar de não haver árvores, os chimpanzés adaptaram-se às condições e habitam grutas na rocha.
    Estes animais vivem em grupos que podem ser pequenos, com 5 ou 6 animais, ou bastante numerosos, com cerca de 100 animais.
    Na sociedade dos chimpanzés existe um escalonamento hierárquico bem definido. Se algum elemento do grupo o desrespeitar, fica sujeito às sanções que o macho do
minante do grupo entender, que podem ir desde uma simples repreensão, até à violência física, ou mesmo ao afastamento do grupo.
    Os chimpanzés não têm todos os mesmos hábitos, cada grupo, dependendo do tipo de alimento que encontra na sua região, desenvolve as suas ferramentas, para quebrar cascas se houver muitos frutos, escavar a terra se tiver de procurar raízes, ou mesmo fazer palhinhas para tirar as formigas dos formigueiros.
    Os chimpanzés são omnívoros. A base da sua dieta são as frutas silvestres, que escolhe habilmente evitando as que lhe fazem mal, mas come também folhas, raízes, algumas flores, pequenos répteis, aves, larvas e formigas. Em perigo. Apesar do vasto território que ocupam, estes animais têm sido dizimados pelos humanos com a caça ilegal, quer para alimentação, quer para fazer amuletos para a medicina tradicional. Muitos são ainda capturados para serem usados nos circos ou noutros espectáculos afins, ou mesmo para serem criados como animais de companhia.
As guerras, que sistematicamente assolam esta região, têm vitimado muitos animais e deixado muitos órfãos. Por outro lado, o stress que estas situações provocam nas fêmeas tem reduzido muito a natalidade nessas zonas.
    Actualmente, existem cerca de 150.000 chimpa
nzés a viver em liberdade.
    Os chimpanzés atingem a maturidade sexual por volta dos 8/10 anos. A gestação dura, em média, cerca de 230 dias, findos os quais nasce, normalmente, apenas uma cria. Por vezes, como acontece com os humanos, existem partos de gémeos.
    As crias deixam de mamar por volta dos 3 anos de idade mas, também como os humanos, vivem com a mãe até atingirem a maturidade sexual, altura em que se tornam verdadeiramente independentes. Durante este período de tempo cuidam e protegem os irmãos, se a mãe deixar, o que nem sempre acontece.
Um chimpanzé adulto, de pé, pode atingir 1,60m e pesar 70 kg.
    Os chimpanzés podem atingir os 60 anos, em cativeiro, sendo que, em liberdade, a sua esperança de vida é um pouco mais baixa.

publicado por Simao às 15:34

19
Out 09

 

 

    Os gorilas já são encontrados em poucos locais, muito isolados uns dos outros. Nas florestas tropicais da Bacia do Congo, ao longo do rio com o mesmo nome, anteriormente Rio Zaire, habitam zonas de planície e montanha. Noutras zonas, nomeadamente Uganda, Ruanda, Gabão e Camarões, vivem em altitude, acima dos 3000 metros. Os gorilas comuns da planície, Gorilla gorilla , também chamados gorilas ocidentais, habitam as zonas ribeirinhas de floresta densa, enquanto os gorilas orientais, Gorilla beringei, preferem viver nas encostas das montanhas. As diferenças entre as duas espécies é muito pequena, basicamente é apenas a pelagem que faz a diferença.
    Os gorilas vivem em grupos, que podem ser pequenos, com 5/6 animais, ou grandes, com mais de 30 indivíduos. Em cada grupo existe sempre um macho dominante, que vive com o harém de fêmeas e com os juvenis. Se o grupo for grande, existem subgrupos com lideres próprios que respeitam sempre o macho dominante, mas que têm o seu próprio
harém. Estes grupos maiores permitem um sentimento de maior confiança entre os membros, já que existem sempre, de forma rotativa, alguns animais alerta, enquanto os outros se alimentam ou tratam da vida social. 

    A base da sua alimentação são frutos e bagas, que seleccionam com todo o cuidado. Também comem muitos tipos de folhas, raízes e capim e, ocasionalmente, comem insectos.
    Em perigo crítico. Os gorilas têm sido dizimados para alimentação humana e para fazer amuletos que os feiticeiros locais usam na medicina tradicional. Também as guerras acabaram com muitos grupos destes animais, e hoje os gorilas da montanha já são poucos, parecendo os das planícies manter-se em números mais elevados e estáveis. Para complicar as contas e baralhar os investigadores, os gorilas parecem ser muito atreitos a vírus mortais como o Ébola, que também tem provocado muitas baixas.
    A maturidade sexual das fêmeas acontece por volta dos 10 anos, e a dos machos por volta dos 15 anos. O tempo de gestação de uma fêmea gorila é igual aos das mulheres, 9 me
ses, passados os quais nasce por norma apenas uma cria. Muito raramente nascem gémeos, mas quando assim é, um deles acaba por morrer ao fim de poucas horas ou dias.
    Um gorila macho adulto pode atingir 1,75 metros de altura e pesar mais de 250 kg.
    Em liberdade, um gorila pode viver cerca de 40 anos, sendo que em cativeiro pode viver um pouco mais e atingir os 50 anos.

publicado por Simao às 15:29

 

 

 

     O Tigre-de-Bengala é um caçador solitário e noturno, que pode percorrer distâncias de 10 a 20 km numa só noite. O tigre vive em média 20 anos, sendo que o macho vive menos que a fêmea, por estarem sempre em confronto com outros machos por causa das presas. Pesa 300 kg, 1 metro de altura e 3 metros de comprimento (sendo 80 cm de cauda). Na ordem dos carnívoros, o único animal que o ultrapassa em tamanho é o urso.

    Originário da Sibéria oriental, há 20 ou 30 mil anos anos, partiu para a conquista do vasto território que hoje ocupa no continente asiático. Corre em uma velocidade de até 80 km/h e pode saltar a uma altura de 5 a 6 metros; contudo, não é capaz de escalar árvores.

    Seu sentido mais aguçado é a audição. A vista é tão fraca que não distingue, além de cem passos; o olfato praticamente inexiste. Caça à noite ou ao amanhecer, o resto do tempo é para dormir. Geralmente não atacam o homem, os que o fazem, são animais velhos ou doentes.

    O tigre vive em stepes geladas, florestas úmidas e bosques. Devido à vasta distribuição geográfica, a alimentação do tigre é muito variada. Em geral devora cervos e suídeos, mas quando estes faltam, alimenta-se até de ursos, na Sibéria, e bovinos, na Índia e Indonésia. O matador graças à camuflagem proporcionada pela coloração e pelo desenho de sua pelagem, que confunde a linha do contorno do seu corpo contra a vegetação, o tigre pode aproximar-se de sua presa sem ser percebido.

    Quando está a 20 m de distância, o tigre se abaixa e depois de caminhar quase se arrastando pelo solo durante um trecho, salta para a frente, tratando de morder o pescoço de sua vítima enquanto a imobiliza pelos ombros ou pelas costas.

      Somente 5% dos ataques do tigre têm êxito. O tigre mata, em média, entre 40 e 50 presas durante um ano, o que equivale a uma a cada oito dias. No caso dos tigres com crias, às quais têm de alimentar, o tempo dedicado à caça é maior.

 

    De músculos fortes e elásticos, o tigre é capaz de matar um búfalo com uma patada e, aferrando-o com as presas, arrastá-lo por centenas de metros.

 

     As fêmeas dos tigres atraem seus parceiros emitindo um rugido. O namoro entre eles nem sempre é violento e, às vezes, pode assumir uma forma muito carinhosa. A gestação dura de 103 a 105 dias, podendo nascer 2 ou 3 filhotes por vez. Apenas a fêmea cuida dos filhotes depois que eles nascem, mas se, por ventura, um macho adulto que acabou de abater sua caça se encontrar com alguns filhotes, mesmo que não sejam seus, ele deixa a cria comer sua caça.

 

    Vive na Ásia e a espécie é dividida em duas subespécies principais, o Tigre-da-Sibéria, que recebe o nome científico de Panthera tigris altaicae, e o Tigre-de-Bengala, que é classificado como Panthera tigris tigris. Na foto abaixo, quatro filhotes de tigre descansam no zoológico Nandan Kanan, na cidade indiana de Bhubaneswar. O governo local anunciou a construção de um segundo zôo que receberá 27 tigres e leões africanos que haviam sido transferidos para Andhra Pradesh. A população de tigres indianos diminuiu de 4.300 para 3.500 nos últimos 11 anos. Entre 200 e 300 tigres são mortos por ano na Índia.

 

 

    

publicado por Simao às 14:08

 

 

    Também conhecido por Foca-monge-do-mediterrâneo. Em Portugal, o lobo marinho está limitado a uma zona nas Ilhas Desertas, no arquipélago da Madeira. Esta espécie, conhecida por foca-monge, existe ainda em pequeno número na Costa Africana e em vários territórios no Mediterrâneo, principalmente na costa grega.
    Na Madeira, esta espécie era, noutros tempos, muito frequentemente encontrada. Na altura em que as ilhas do arquipélago foram colonizadas pelos portugueses, um dos pontos onde se podia encontrar grande quantidade destes animais era a actual Vila de Câmara de Lobos, que deve a esse facto o seu nome.
    A caça permanente, durante muitos anos, foi o motivo de estes animais quase terem desaparecido. No final do século passado, esta colónia estava em declínio acentuado. Entretanto, a intervenção e a protecção a que foi sujeita levou a que, nos últimos anos, o número de indivíduos tenha aumentado, levando a um cenário bem mais animador. Não obstante continue a ser necessário monitorizar e acompanhar este grupo, para que o trabalho arduamente de
senvolvido por alguns não seja perdido a qualquer momento, e para que esta espécie se mantenha observável em território nacional.
    Neste momento, o grupo conta já cerca de 25 animais, ao passo que, no momento em que foi protegido, não atingia os 10 elementos. A soma de todos os animais desta espécie, a viver em estado selvagem, nas colónias existentes e monitorizadas, já não deve atingir os 500 animais.
    Uma foca desta espécie, pode atingir os 3,5 metros e pesar mais de 300 quilos. Os lobos marinhos, a viver em liberdade, podem ter uma esperança de vida que rondará os 30 anos.

Sabias que: Um lobo-marinho apareceu na praia de Itapirubá, em Imbituba, sul de Santa Catarina na manhã desta quarta-feira. O animal está com uma das nadadeiras ferida e aparentemente muito cansado. Alguns moradores da região se aproximaram do lobo, mas ele sequer se mexia.

 

 

    O animal deve ser encaminhado pela Polícia Ambiental e pelo Projeto Baleia Franca de Imbituba para o Centro de Estudos e Pesquisas Ambientais (Cepa), em Florianópolis. Lá o lobo-marinho será cuidado por veterinários até que possa voltar ao mar.

publicado por Simao às 13:48

15
Out 09

 

    A Orca também conhecida por Baleia-assassina, apesar de pertencer à família dos golfinhos.
As orcas podem ser encontradas em todos os oceanos do planeta e também em muitos mares mais pequenos, como o Mediterrâneo, onde esta espécie costuma fazer investidas até às Ilhas Baleares.
No entanto, evitam as águas mais cálidas das proximidades da linha do equador e aparecem com menor frequência no Oceano Pacífico. Demonstram gostar bastante mais dos mares frios junto aos círculos polares ártico e do antártico.
    No que respeita à distribuição pelo planeta é, curiosamente, a segunda espécie animal, logo a seguir ao Homem. A base da dieta das orcas são as focas. No entanto, demonstram não ser esquisitas com o que comem, e apanham aves, tartarugas, peixes de todos os tamanhos, incluindo alguns tubarões, moluscos e cefalópodes. Ocasionalmente, atacam algumas espécie de baleia, e daí advém o seu nome de guerra, «assassina de baleias», que depois foi alterado popularmente para «baleia assassina».
Quando adultos, estes animais podem ter de encontrar entre 200/250 quilos de alimentos por dia cada um. 
    O estado de conservação desta espécie é quase ameaçada, pensando-se existirem cerca de 100.000 animais espalhados por todos os mares do mundo. O número de orcas sofreu uma redução alarmante nos últimos anos, pelo que comunidade cientifica está atenta e preocupada e a tentar combater as causas deste decréscimo acentuado, que são a caça, o desaparecimento de alimento em quantidade e a poluição.
    As fêmeas atingem a maturidade sexual após os 8 anos, embora a primeira cria surja muitos anos depois. Os machos atingem essa maturidade muito mais tarde, por volta dos 15 anos.
Estas diferenças podem estar relacionados com o facto de os grupos de orcas serem sociedades marcadamente matriarcais e familiares, onde as fêmeas desempenham papel preponderante durante toda a sua vida.
Estes grupos familiares podem ter constituições diferentes, dependendo até da zona do planeta onde vive o grupo. Contudo, podem juntar de 12 a 50 animais, e em cada zona os grupos são mais ou menos semelhantes.
A gestação nesta espécie dura em média doze meses, embora aconteça demorar mais um pouco em algumas fêmeas. Findo esse tempo, nasce apenas uma cria, com cerca de 2,5 metros e que pode pesar quase duas centenas de quilos.

    Os machos desta espécie, apesar da sua menor importância no grupo, são significativamente maiores e mais pesados que as fêmeas, podendo atingir os 9,5 metros e pesar cerca de 7500 kg, já elas dificilmente ultrapassam os 8,5 metros e os 5000 kg.
    Dada a grande distribuição desta espécie pelo planeta, a esperança de vida destes animais varia muito, dependendo da zona onde encontra. Pensa-se que os machos possam viver entre 40 a 50 anos e as fêmeas até aos 90.

 

 

Sabias que: Estudos realizados no litoral noroeste dos EUA e Canadá mostram que existem dois tipos diferentes de orcas, as transeuntes e as residentes, com diferenças físicas e comportamentais.
As transeuntes formam bandos pequenos (1 a 7 orcas por grupo), percorrem uma área maior, alimentam-se de outros mamíferos emitem sons com menor frequência e quando nadam, mudam abruptamente de direção, costumam permanecer sob a superfície da água entre 5 a 15 minutos, subindo nos intervalos para respirar. Possuem barbatanas dorsais mais pontiagudas do que as residentes.
    As residentes formam bandos maiores, geralmente tendo de 5 a 25 orcas no grupo, percorrem uma área menor, alimentando-se de peixes. Emitem sons mais longos, têm rotas de navegação previsíveis e raramente passam mais de cinco minutos embaixo da água?

publicado por Simao às 15:53

13
Out 09

 

 

 

 

 

    Os cachalotes podem ser encontrados em todos os oceanos do mundo, evitando contudo as águas mais frias, junto dos círculos polares. odos. A base da alimentação destas bal


Prefere águas profundas e límpidas, já que

nos seus mergulhos em busca de comida gosta de descer a grandes profundidades por longos perí

eias são os cefalópodes, principalmente lulas, polvos e chocos, e ocasionalmente peixes. Está, desde meados dos anos 90, em e

stado cons

iderado vulnerável. 
    A gestação nos animais desta espécie dura cerca de 540 dias, 18 meses, findos os quais nasce uma cria. Os cachalotes macho podem atingir os 18 a 20 metros e pesar até 70 toneladas, as fêmeas raramente ultrapassam os 12 metros e podem pesar até 40 toneladas. Os animais desta espécie podem viver até perto dos 80 anos.
 

 

  

Sabias que: -O Cachalote é a única fonte mundial de âmbar cinzento, uma matéria básica para a indústria de perfumes caros. Eles alimentam-se de lulas gigantes, que engolem inteiras. No entanto, não conseguem digerir os bicos duros da lula, que permanecem nos seus aparelhos digestivos, produzindo uma substância

escura e fétida - o âmbar cinzento - que é a melhor substância conhecida para conservar o aroma dos perfumes. Os cachalotes expelem frequentemente esta substância que pode, assim, ser encontrada a boiar no mar. É por ser tão rara que tem um preço tão elevado.
 

 

 

 

Cachalote a ser Resgatado.

publicado por Simao às 18:17

 

 

    A baleia-azul pode ser encontrada em todos os oceanos do planeta, embora faça migrações sazonais para fugir a águas mais quentes, já que a sua preferência vai para as águas mais frias e ricas em alimento. A base da alimentação da baleia-azul é o Krill, pequeno crustáceo parecido com o camarão com poucos centímetros de comprimento. Uma baleia adulta desta espécie pode ingerir mais de 3 toneladas deste alimento por dia.
    Em perigo. Estima-se que possam haver no máximo 6000 destes mamíferos na globalidade do planeta. 
    A causa destes números tão baixos foi a caça que lhe foi movida a partir da segunda metade do século XIX e até aos anos 60 do século XX. Durante este período podem ter sido caçadas 350.000 baleias-azuis.
Neste momento a espécie é protegida e proibida a sua caça por quase todos os países do mundo. As baleias-azuis atingem a maturidade sexual por volta dos 7/8 anos. A gestação destes ani
mais dura cerca de 12 meses, findos os quais nasce uma cria com 7 ou 8 metros e mais de 2 toneladas. O tamanho máximo encontrado foi de cerca de 33 metros, sendo que a grande maioria ronda os 25/30 e podem pesar até 130.000 kg . São os maiores e mais pesados animais da terra. A Baleia-Azul vive um tempo estimado entre 80 e 90 anos.

 

 

Sabias que: -A maior baleia até hoje caçada foi uma baleia-azul fêmea, que media 34 metros de comprimento e pesava em torno de 170 toneladas?

publicado por Simao às 18:02

 

 

     O Lince-Ibérico também conhecido por Cerval, lobo-cerval, gato-cerval, gato-cravo ou gato-lince. Esta espécie só se encontra na Península Ibérica, Portugal e Espanha.
    Em Portugal esta espécie está prestes a ficar extinta. E este pro
destes animais, acabou definitivamente por criar o vazio em que agora se encontra. O facto de os poucos animais existentes estarem dispersos por um longo território, leva a

blema parece não ter retrocesso, tal é o ponto em que se encontra a situação desta espécie. A sua distribuição geográfica faz-se por pequenos grupos a viver no Algarve, Vale do Guadiana, Serra de São Mamede, Vale do Sado e Serra da Malcata.
    O lince ibérico é o carnívoro mais ameaçado da Europa eo felídeo mais ameaçado do mundo, e tudo isto acontece em Portugal, sem que haja verdadeiramente um plano de acção, nem verbas que permitam inverter esta tendência.
    Ac

tualmente, está reduzido a uma população que se resume a cerca de 30/40 animais, no máximo, a viver em liberdade. O homem foi o principal responsável por este desaparecimento, devido à caça que lhe deu durante o último século. O desaparecimento do habitat natural destes animais também foi acontecendo, não tendo sido, ao longo dos anos, minimamente salvaguardado pelas autoridades responsáveis.
    Por último, a doença hemorragica viral, que dizimou as grandes populações de coelhos bravos, que eram o principal alim

ento

 que não haja reprodução, e que o fim destes felídeos esteja próximo em território português.

   

    Com o desaparecimento anunciado do lince ibérico, o territírio nacional deixa de contar com a presença de grandes felinos.

 

 

 

 Sabias que: -O lince-ibérico é actualmente considerado o felino mais ameaçado do mundo?

Reportagem sobre o Lince-Iberico na Reserva Natural da Serra da Malcata.

publicado por Simao às 16:38

Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


subscrever feeds
arquivos
2010

2009

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
blogs SAPO